Posts com Tag ‘técnico’

Em minhas constantes buscas pelo “sistema perfeito”, instalei o Ubuntu 9.04 no netbook da Six. A instalação foi um parto, pois a configuração de boot por cartão de memória não queria funcionar de jeito nenhum.

Primeiro copiei o conteúdo do cd para o cartão – sem sucesso na instalação, apesar do sistema reconhecer o hardware e abrir a opção para boot pelo cartão.

Buscando soluções na internet – como sempre – encontrei o criado de usb iniciável, que já vem com o sistema e é prático e rápido. Depois de alguns minutos já estava com meu cartão SD prontinho (é claro que fiz tudo isso em um outro micro, com leitor de cd).

Durante a instação, acabei matando o Windows 7 instalado (propositadamente) e dividi o hd em 2, um com o sistema propriamente dito e outro com o /home (local onde o linux armazena os arquivos de usuários).

Após instalado, fui para a atualização do sistema e percebi que esta versão do Ubuntu faz menos downloads de instalação do que as versões anteriores, o que representa um ganho de tempo.

Todo o hadware foi reconhecido sem problemas, inclusive o bluetooth, que parecia não funcionar tão bem no Window7.

A gama de aplicativos também melhorou, contando com as últimas versões dos principais softwares para Linux (Gimp, OpenOffice, Firefox etc).

Um único senão, que ainda não consegui avaliar bem, é que parece que a bateria está durando mens do que antes, mas preciso fazer essa análise com mais cuidado.

Em breve vou publicar os softwares mais usados e que mais tenho gostado.

Anúncios

A rota de colisão em que portais e canais de TV se colocaram na internet pelas parcerias dos primeiros por conteúdo e pelos investimentos dos segundos em tecnologias conta ainda com um terceiro participante: o usuário.

A partir do momento em que os antigos espectadores usufruem a capacidade de criar canais e transmitir conteúdos (sejam eles próprios ou alheios), a crescente integração entre TV e internet no Brasil sofre os impactos da participação do usuário na distribuição de vídeos.

Ainda que canais de TV se movimentem para reaproveitar na web o conteúdo exibido em sua programação, eventualmente com transmissões ao vivo pela internet (como é o caso de Rede TV! e Globo News), ainda há conteúdos distantes dos domínios online que interessam aos usuários. O principal deles é o futebol.

Beneficiados por serviços de transmissão ao vivo de vídeo (notoriamente o Justin.TV), espectadores criam canais em que transmissões tradicionalmente fechadas, para que os canais lucrem da compra de pacotes pelos torcedores, são distribuídas e consumidas livremente na rede.

Não é difícil encontrar canais do tipo, que carregam nomes dos times cujas torcidas representam. Palmeiras, Santos, São Paulo, Flamengo, Cruzeiro, Atlético Mineiro e Botafogo estão entre as agremiações cujas partidas são reproduzidas na internet por torcedores que captam o sinal da TV (aberta ou fechada) por placas de captura no PC.

Agregadores de partidas
Ao redor desses perfis se formaram agregadores que organizam as transmissões e indicam em quais canais determinadas partidas estão sendo exibidas, como é o caso do NaTrave.Tk, do ehgol.tk, do TV Zuca e do Brasileirão na Net.

Uma grade indica jogos em andamento, as próximas partidas e competições sem relação com futebol, além de apontar links para filmes na íntegra e a retransmissão (também ao vivo) de canais de TV.

A divulgação dos links para as transmissões (nem todas são registrados pelos agregadores) invade redes sociais e serviços como o Twitter quando se aproxima o início das partidas.

Na rodada deste domingo (27/9), o IDG Now! fez o teste: nas comunidades de times como São Paulo, Corinthians, Flamengo e Santos no Orkut, tópicos próprios eram usados para indicar transmissões (de TV ou rádio), criticadas e enaltecidas ou com alternativas sugeridas ali mesmo por torcedores.

No Twitter, buscas pelo nome de time e termos como “transmissão”, “ao vivo” ou “Justin.TV” devolvia resultados em que, na maioria das vezes, o jogo foi reproduzido com um pequeno atraso em relação à TV.

O aumento na procura (e a subsequente queda na qualidade das transmissões) fez com que alguns torcedores se juntassem e criassem grupos fechados com canais próprios disponíveis apenas mediante senha. A exigência de senha “filtra o número de torcedores e garante a qualidade do jogo”, defende Ronaldo*, mediador de grupo dedicado a um time paulista

Além de ter apelo entre aqueles que trabalham no horário da rodada, ver jogos pela internet (e aguentar os potenciais travamentos ou a qualidade bem abaixo da disponível na TV a cabo) é cômodo também aos torcedores cujos times têm partidas renegadas aos canais pagos.

É o caso do engenheiro Cristiano*, torcedor do Santos. Em rodadas em que nem emissoras de TV a cabo transmitem partidas do time, ele encontra canais no Justin.TV com os jogos do Santos e conecta seu laptop à sua televisão para assisti-los. A “qualidade sofrível” em alguns casos e engasgos da conexão, ainda assim, compensam pelo fato de não representarem gastos com os canais pagos, chamados no setor de “pay per view”.

By IDG Now

Veja matéria completa: http://idgnow.uol.com.br/internet/2009/09/29/usuarios-driblam-canais-de-tv-e-popularizam-transmissao-de-futebol-na-web/

No mesmo dia em que a MSI brasileira demonstrou notebooks ultra-finos e um PC tudo em um, a matriz em Taiwan anunciou o “braço ecológico” de sua linha U100 de netbooks. Com tela LED de menor consumo e uma bateria mais robusta, autonomia é recorde.

Netbooks são a representação da mobilidade, a liberdade no acesso à internet em qualquer lugar, sem fios, inclusive os da tomada. Por isso, é muito bem vindo o anúncio do mais novo netbook da MSI, o Wind U110 Eco.

Segundo o fabricante, seu netbook é equipado com uma bateria cuja autonomia ultrapassa as 13 horas, podendo chegar a 15, o que é um recorde absoluto em portáteis. A autonomia média de bateria de um netbook dos concorrentes é de três horas e meia. Mesmo notebooks topo de linha, como os MacBook Pro da Apple, não aguentam mais do que oito horas.

A MSI conseguiu atingir esta marca através da combinação de uma bateria estendida com nove células, além de um novo processador Intel Atom Z530 (com consumo menor que o Atom N270 normalmente usado em portáteis) e uma tela com iluminação LED, o que reduz o consumo (e melhora as cores) em comparação à iluminação tradicional com lâmpadas fluorescentes. O menor consumo faz juz ao adjetivo “Eco”, embora grande parte da grande autonomia deva-se mesmo à bateria.

O preço sugerido pelo MSI Windo U110 Eco é de US$ 430, nos EUA. Ainda não há informações sobre a venda no Brasil.

O Google anunciou que nas próximas semanas começará a indexar o conteúdo de documentos públicos hospedados no seu serviço online de produtividade, o Google Docs.

Em anúncio publicado no fórum de ajuda do Google Docs, uma funcionária da empresa chamada Marie F. afirma que nas próximas duas semanas textos, planilhas e apresentações disponíveis para qualquer usuário poderão fazer parte do índex de Google, Yahoo, Bing e outros buscadores.

Segundo o comunicado, apenas documentos publicados como páginas online ou que têm a opção de integração por meio de códigos disponível poderão ser encontrados pelos buscadores.

Arquivos sigilosos ou publicados, mas encontrados apenas por usuários que têm o link, não serão encontrados, lidos e nem integrados ao índex dos buscadores.

O anúncio do Google acontece na mesma semana em que a Microsoft começa a testar a versão online do popular pacote de produtividade Office, o Office Web Apps.

Ainda sem data para chegar ao mercado, o serviço, ainda fechado a convidados, permitirá que documentos do Word, Excel e PowerPoint sejam editados e compartilhados online.

O principal rival do Office Web Apps será o Google Docs, tanto pelas ferramentas oferecidas a usuários e empresas como pela penetração do serviço do buscador – pesquisa da consultoria IDC mostra que o Docs está presente em um quinto das empresas nos Estados Unidos

Fonte: IDG Now

A licença de upgrade do Windows 7 Professional custa 397 reais, mesmo preço do Vista Business.

O preço é da lista de preços de produtos para empresas da Microsoft, que é distribuída mensalmente às revendas. Na lista de setembro, o Windows 7 comparece pela primeira vez, mas só na edição Professional, que sucede o atual Vista Business. Os valores publicados são de licenças para upgrade. Convertidos pela taxa de 1,83 real por dólar, ficam assim:

  • Normal (código FQC-02371) – 397 reais
  • Promocional (código FQC-02633) – 338 reais
  • Acadêmico (código FQC-02312) – 149 reais

As edições equivalentes do Vista não aparecem na lista de setembro. Para saber quanto custavam,  consultei a lista de agosto. O que pude constatar é que os preços normal e acadêmico do Windows 7 Professional são idênticos aos do Vista Business. Outra constatação é que os brasileiros vão pagar mais que os americanos pelo software. O preço normal no Brasil é 8% mais alto que o anunciado pela Microsoft nos Estados Unidos. Continuo aguardando os preços das demais edições do Windows 7, que já foram divulgados no exterior, mas não no Brasil.

Durante uma busca no Google em inglês pela palavra “pornography”, um funcionário do site TechCrunch –que pediu para permanecer anônimo– encontrou, como link patrocinado, o site de buscas concorrente Bing.

O Bing, lançado pela Microsoft em junho, já foi criticado logo na estreia pelo acesso direto a vídeos pornográficos.

“Uma coisa sobre o Bing realmente se destaca: pode ser o melhor buscador de pornografia já criado”, ironiza o TechCrunch. “Em conversas particulares, funcionários da Microsoft sempre disseram que o recurso de busca para pornografia era um subproduto não intencionado de uma boa pesquisa de vídeos”, relata o o site especializado em tecnologia, que afirma ter sempre duvidado se a “não intenção” era verdade.

No entanto, agora, com a descoberta de que o Bing anuncia no próprio concorrente Google com a palavra-chave “pornografia”, ficam eliminadas as intenções do Bing quanto ao assunto, observa o site. “Não há nada errado em ser uma boa ferramenta de busca pornográfica, em nossa opinião. E por não ir em frente e anunciar isso para o mundo?”

Fonte: Folha Online

Para aqueles que querem atualizar a versão rodando do Windows 7, ai vai a dica de outro blog do WordPress:

http://marlonpalmas.wordpress.com/2009/08/03/como-atualizar-o-windows-7-rc-para-o-rtm/