Posts com Tag ‘Microsoft’

A Microsoft começou a testar desde a última quinta-feira (17/9) o Office Web Apps, primeira demonstração pública do serviço que levará para dentro do navegador ferramentas disponíveis no pacote corporativo Office.

Chamado de “preview técnico” e fechado a convidados, o Office Web Apps estará disponível no Windows Live por meio de uma aba especial chamada “Documents”, afirmou a companhia, dizendo que “centenas de milhares” de usuários foram convidados a testar o serviço.

São três aplicativos disponíveis online apenas em inglês e japonês: Word Web App, Excel Web App e PowerPoint Web App.

Em julho, a Microsoft anunciou que as aplicações online estariam disponíveis gratuitamente no Windows Live e a funcionários de empresas que contratam o programa corporativo Office Software Assurance.

O diretor do programa para Office Web Apps, Nick Simons, classificou as funcionalidades do software como “modestas” em post no blog da empresa.

Inicialmente, convidados não poderão editar pela web documentos do Word, ainda que possam criar, reproduzir e editar planilhas do Excel e apresentações do PowerPoint. O programa de anotação OneNote também será adicionado à plataforma online, diz ele.

Tanto Simons como o diretor de marketing para Office da Microsoft, Michael Schultz, atrelam a sofisticação do Office Web Apps com a proximidade de lançamento do Office 2010.

A empresa ainda não definiu quando a nova versão do pacote chega às lojas, adiantando apenas que será no primeiro semestre do próximo ano. Cópias da versão de testes do Office 2010 já vazaram na internet.

O Office Web Apps funciona nos navegadores Internet Explorer 7 e 8, da própria Microsoft, no Firefox 3.5, da Mozilla, e no Safari 4.0, da Apple.

Por mais que esteja apoiada no sucesso do pacote corporativo Office, a entrada da Microsoft em serviços online de produtividade enfrentará a concorrência do Google, com seu serviço Docs, e empresas menores, como a Zoho.

Para se preparar melhor contra a Microsoft, o Google adicionou suporte a arquivos criados pelo Office nas ferramentas de edição de textos, planilhas e apresentações do Docs.

Usuários interessados podem acrescentar seus nomes à lista de notificação que a Microsoft oferece no seu site do Office 2010.

Fonte: Computerworld/EUA

Anúncios

Adquiri nesta semana uma nova maquinha – pequena no tamanho mas com ótima performance, já começo dizendo – um netbook da Six.

Estava cansado do ótimo – mas pesado – notebook Latitude D520 da Dell e a algumas semanas estava pesquisando um netbook.

Precisava de uma máquina não muito básica e que pudesse ser utilizada bem no dia-a-dia sem grandes traumas e o transtorno de carregar um note pesado e que sempre ocupa muito espaço em mesas de reunião e palestras.

Além disso, queria uma bateria para algo entre 3 e 4 horas e um hd maior do que tinha no Dell (40 gb).

Pesquisei bastante, quase comprei um notebook de 12 pol (na verdade comprei, mas o submarino não tinha para entregar), fui a Santa Ifigênia e vi dezenas de máquinas acompanhadas de comentários do tipo “netbook é para quem só acessa internet”, “compre um notebook de verdade”, “ você não vai gostar dessa máquina”.

Minha primeira escolha foi um Netbook da Acer de 11,6 pol, lindo e fininho. Mas fiquei com medo do processador Atom Z520 que vinha máquina e dos comentários da lentidão que vi na internet.

A opção então seriam máquinas com Atom N270 ou N280. Buscava também 2gb de RAM e um hd no mínimo de 160gb.

Como tinha visto algumas máquinas no Carrefour, quando estive na tortura de compras mensais, voltei para ver e segue a máquina que escolhi:

computadores_netbook_windows

Preço bom, bem parcelado e foi pra sacola. Apesar de nunca ter ouvido falar na marca, acabei arriscando e, até agora, tudo bem.

O único problema foi ter visto com o Windows Vista, que ontem mesmo substitui pelo Windows 7.

Aliás, quem diz que o Windows 7 não roda nestas maquininhas talvez nunca tenha tentado instalar. A instalação foi relativamente tranquila (descompactei a imagem do sistema no note, utilizando o Alcohol 120% – ótimo programa trial – copiei no hd externo e atualizei o Vista).

Não dá para comparar a performance com a de um Core 2 Duo, mas, para mim, até agora tem resolvido o problema.

A tela de 10 pol também é pequena, mas a qualidade acaba compensando um pouco pois a nitidez é ótima. A única decepção tem sido a bateria, que deveria durar umas 4 horas, mas não passou de 2h30 até agora.

Por enquanto, instalei apenas o office e alguns aplicativos básicos – além de trazer todos os meus arquivos para cá.  Os próximos serão Dreamweaver e Photoshop (o grande teste da máquina).

Vou postando aqui conforme for instalando mais aplicativos e utilizando no dia-a-dia.

A licença de upgrade do Windows 7 Professional custa 397 reais, mesmo preço do Vista Business.

O preço é da lista de preços de produtos para empresas da Microsoft, que é distribuída mensalmente às revendas. Na lista de setembro, o Windows 7 comparece pela primeira vez, mas só na edição Professional, que sucede o atual Vista Business. Os valores publicados são de licenças para upgrade. Convertidos pela taxa de 1,83 real por dólar, ficam assim:

  • Normal (código FQC-02371) – 397 reais
  • Promocional (código FQC-02633) – 338 reais
  • Acadêmico (código FQC-02312) – 149 reais

As edições equivalentes do Vista não aparecem na lista de setembro. Para saber quanto custavam,  consultei a lista de agosto. O que pude constatar é que os preços normal e acadêmico do Windows 7 Professional são idênticos aos do Vista Business. Outra constatação é que os brasileiros vão pagar mais que os americanos pelo software. O preço normal no Brasil é 8% mais alto que o anunciado pela Microsoft nos Estados Unidos. Continuo aguardando os preços das demais edições do Windows 7, que já foram divulgados no exterior, mas não no Brasil.

Durante uma busca no Google em inglês pela palavra “pornography”, um funcionário do site TechCrunch –que pediu para permanecer anônimo– encontrou, como link patrocinado, o site de buscas concorrente Bing.

O Bing, lançado pela Microsoft em junho, já foi criticado logo na estreia pelo acesso direto a vídeos pornográficos.

“Uma coisa sobre o Bing realmente se destaca: pode ser o melhor buscador de pornografia já criado”, ironiza o TechCrunch. “Em conversas particulares, funcionários da Microsoft sempre disseram que o recurso de busca para pornografia era um subproduto não intencionado de uma boa pesquisa de vídeos”, relata o o site especializado em tecnologia, que afirma ter sempre duvidado se a “não intenção” era verdade.

No entanto, agora, com a descoberta de que o Bing anuncia no próprio concorrente Google com a palavra-chave “pornografia”, ficam eliminadas as intenções do Bing quanto ao assunto, observa o site. “Não há nada errado em ser uma boa ferramenta de busca pornográfica, em nossa opinião. E por não ir em frente e anunciar isso para o mundo?”

Fonte: Folha Online

Os netbooks – laptops ultraportáteis, mas com menor poder de processamento e mais baratos – foram uma grata surpresa para o mercado de tecnologia. Com preço abaixo de 300 dólares (nos Estados Unidos), rapidamente esses equipamentos conquistaram uma fatia do mercado de computadores.

Promoções feitas por grandes varejistas norte-americanos, no entanto, estão fazendo com que notebooks com mais recursos já possam ser comprados por menos de 300 dólares. A partir do dia 26 de julho, a rede Wal-Mart vai vender um laptop da linha Compaq Presario por 298 dólares. A máquina tem processador AMD Sempron SI-42 de 2,1 GHz, tela de 15,6 polegadas, 3 gigabytes de RAM, disco rígido de 160 GB e gravador de DVD.

No começo desta semana, outra grande rede de varejo norte-americana, a Best Buy, vendeu um notebook da Acer por 299 dólares. O modelo vinha equipado com processador AMD Athlon 64 de 2 GHz, Windows Vista, 2 GB de RAM e 160 GB de disco rígido. O estoque da Best Buy rapidamente se esgotou.

Em comparação, os netbooks mais baratos do catálogo da Wal-Mart são vendidos por 238 dólares e tem menos recursos que o Compaq Presario que começará a ser vendido no domingo. O Asus Eee PC900HD tem tela de 8,9 polegadas, processador Intel Atom N270 de 1,6 GHz, 512 MB de RAM, disco rígido de 160 GB e Windows XP.

Poucas vezes laptops tiveram seus preços reduzidos abaixo da barreira dos 300 dólares nos EUA. A última vez que isso aconteceu foi em 2007, quando a Toshiba vendeu um laptop por 299 dólares. Atualmente, a maioria dos notebooks à venda na Wal-Mart, por exemplo, custam 350 dólares.

Esta também parece ser a tendência por aqui…

Notícia de ontem (25/06):

A Microsoft informou nesta quinta-feira (25) que seu novo sistema operacional Windows 7 será oferecido como atualização gratuita para todos os computadores com Windows Vista adquiridos a partir de amanhã.

O Windows 7, o novo sistema operacional destinado a substituir o criticado Vista, começará a ser vendido em 22 de outubro
“Caso seja comprada uma versão Windows Vista Home Premium, Windows Vista Business ou Windows Vista Ultimate PC, daremos uma versão similar do Windows 7, de forma gratuita”, explicou um diretor de marketing da Microsoft, Brad Brooks, no blog do grupo.

Depois de ter voltado atrás e liberado novamente a venda do XP, a Microsoft faz mais uma ação tentando evitar que sua imagem seja ainda mais comprometida com o Vista (se é que é possível).

É mais ou menos assim: compre nossa carroça que quando o carro ficar pronto enviamos para você.

Se pudessem, lançavam o Windows 7 hoje!

Quem vive sem um bom antivírus? Aliás, talvez o desafio seja viver sem nenhum vírus na máquina – mas isso algumas vezes parece utopia, ou mesmo uma daquelas brigas que não tem fim.

Depois de instalar o Windows 7, minha preocupação com os vírus ficaram claras, afinal, nem sabemos bem como o sistema está se comportando em relação à estabilidade e um bichinho destes pode nos deixar em uma situação difícil.

A única indicação da Microsoft é o AVG, quem nem consegui instalar direito em nenhuma das 3 máquinas. Frustração total.

Encontrei então uma versão beta do antivírus Kaspersky, famoso tanto por ser um software bem completo, como por deixar a máquina bem lenta.

Resolvi instala-lo (baixei em: http://superdownloads.uol.com.br/download/43/kaspersky-anti-virus-windows-7/ ) e testar o funcionamento.

A instalação foi tranqüila e nas duas últimas semanas nada foi detectado. Como o sistema também vem com firewal, é interessante testar em redes com muitos micros, até para evitar vermes que usam a porta 443 para infectar outras máquinas.

 A lista de vírus é atualizada diariamente de forma automática e a máquina não tem apresentado lentidão.

Se você tem testado o Windows 7, deixe sua experiência sobre antivírus.